Sob a lua vermelha de novembro...

Quando tudo isso começou? Quando as engrenagens do destino começaram a girar? Talvez seja impossível achar a resposta agora, profunda no fluir do tempo...

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, MG, Brazil

Eu? Apenas mais um andante solitário...mas todos os andantes tem uma ou outra lição a passar devida à sua intimidade com a estrada. A estrada é sábia. Embora seja certo que o caminho ainda segue muito à frente... quantas lições nos esperam?

domingo, junho 04, 2017

No Tempo Profundo


No tempo profundo


(...)

O universo canta, silencioso
a nascida esfera no enfeite;
que chora nuvens de fogo,
sugando cometas por leite...

(no tempo profundo...)

Tal acne, vicejam vulcões em gênese
ali a separar terras; acolá em mar fecundo,
vomitando dentre entranhas ardentes
os perenes tijolos do mundo...

(no tempo profundo...)

E mais fundo, tanto e tanto,
chega-se, pós esforço hercúleo,
aos ferrosos frutos do Manto
do planeta parido ao núcleo...

(no tempo profundo...)

Nesse frenesi louco dos ponteiros,
continentes bailam em águas vermelhas;
e transmigram os pólos nos eixos
lamentando-se de luas desfeitas...

(no tempo profundo...)

Correntezas aninham o pó do ontem
tatuando na térrea pele veias insones
expondo antigos ossos, negros sangues,
escavando incessantes – até onde?

(no tempo profundo...)

No lento maturar das rochas velhas
que sofreram por eras eternas;
em seus gritos, inscritos em pedra,
se encerram as pistas das ciências da Terra...


(no tempo profundo...)

sexta-feira, maio 24, 2013

Esgrima

















_______________________________________________________


I
Perdida em meio à névoa, a trilha
sob o desfiladeiro segue infinita
– um caminho sem respostas,
sem certezas, dentro ou fora.

II
Um tinir de ferros ressoa,
desperta uma chama em mim;
da escuridão uma resposta ecoa
de um sonho sepultado ali.

III
Treinando firme, dia a dia,
desprezando suor e cansaço
até que me torne qual dardo,
retesado, no arco da vida.

IV
Sonhos efêmeros vagalumeiam;
no punho a espada, meu lastro
- um universo contido de anseios
permeiam a frieza do aço.

V
A mão que treme, o pé que hesita
de nada serve o suor gasto
se minha mente, não mais minha
se rende prévia ao assalto.

 VI
O corpo em rocha, a mente um lago
que, quer lute com mestre ou novato,
sob finta, a fundo, flecha ou salto
permanecerá sempre calmo.

VII
Meu corpo, em guarda;
meu espírito, em riste;
Todo o meu ser reside
no limiar do fio da espada.

VIII
Um olhar profundo, qual Lince
um ataque veloz e não dúbio;
Escarlate minha lâmina tinge
e lento escorre, em veio rubro.

IX
 Dissipado o medo,
o horizonte me espera;
Ardente, somente um desejo:
o sumo ápice de toda a Terra.

X
A cada fugaz vitória e glória,
um presságio futuro de derrota;
Nesse palco, todo vulto dança e some
num bailar de pés errantes.

XI
Que é do amargo e doce?
- resquícios de uma mente vã;
As sombras que duelo hoje
já não serão as de amanhã.

XII
É, pois, viver lutar?
Dúvida em mim:
 avançar ou recuar
– e com que fim?

XIII
O quê, de fato, importa?
A vida segue curta, frágil, torta.
Então adeus futuro, adeus memória,
só minha lâmina gravará minha história.

XIV
Um novo dia, novo assalto,
e as ilusões ao lado: o bem, o mal;
mas quando a ponta acerta o alvo
sinto um fugaz sopro do real...

___________________________________

quarta-feira, julho 21, 2010

Melodia...



********

Em um canto desse universo infinito,
uma nova vida irá gravar a história pela primeira vez;
O fluir da sua história vai desaparecer um dia,
mas renascerá de novo e de novo,
pois ninguém pode deter
o fluxo do tempo...

[E, enquanto o dia acaba,
eu penso sobre coisas que posso realizar...
]

O mundo... não acho que ele mudará facilmente;
mas mesmo devagar, eu posso me aproximar
de um caco de um sonho, da pessoa que amo.


Quando isso tudo começou?
Quando a roda do destino começou a girar?
Talvez seja impossível encontrar a resposta,
profunda no fluir do tempo...

[É sempre assim, não importa o que eu faça;
eu continuo repetindo os mesmos erros....
]

O que é realmente importante?

Procuro, não sei a resposta...
tento encontrá-la no limiar dos sentidos;
mas já machuquei alguém no caminho
assim como a mim mesmo...

[Me agarrando a coisas que não posso perder,
eu continuo procurando...
]

Quando nos encontramos e lutamos, ficamos selvagens;
Um passo para alcançar com muito custo o hoje
está marcado na palma da minha mão.


[Ouço, longe, a canção daquele dia...
Sonhos efêmeros, feridos e quebrados, de guerreiros...
]

Não conseguimos ser tão fortes
quanto podemos ser gentis;
quando o anoitecer estiver próximo,
atirarei flechas de coragem
de uma janela distante....

Meu coração ainda se encontra nas suas lembranças...
São coisas que não podem ser arrancadas, céu de culpas...
Mais uma vez, em algum lugar, alguém irá chorar,
para poder seguir vivendo com um sorriso frio no rosto.


[A nobre chuva ainda não parou;
apesar disso, a cidade e as pessoas
ainda acreditam no Sol;
]

Ah, muitas noites percorridas...
sonhos congelados e lágrimas escondidas...
Minhas velhas lembranças perderam a cor;
por que as pessoas precisam amar e odiar?

Mesmo depois de andar tanto, não vejo um fim;
arrasto as memórias do passado.
Ainda que o corpo se quebre no caminho,
continue andando, meu amigo;
para que as lágrimas sequem de alguma forma...


[A forma de amor com que sonhava,
eu continuava procurando eternamente...
Caminhe e caminhe e isso se tornará verdade.
]

Quando a morte visita,
se vê o portão do destino
e a escuridão corta
o que há sob nossos pés...

Se subires o Rio Lete,
acharás os jardins divinos,
um paraíso para os escolhidos...
O vento fresco balança as flores
e nos liberta de toda dor,
preocupação e sofrimento...

[Floresceremos nas vidas do amanhã...]




********

sexta-feira, maio 29, 2009

Soneto da Essência do Amar


*********


Soneto da Essência do Amar


inspiração: Bárbara


Se aproximem e atentem, senhores!,

pois que do trançado do amar versarei;

E, infante, linha exemplar fiarei

em meandros de fibras de ricas cores...


Ei-la, pura e caseira, nua e só

aqui renegando si mesma num laço,

ali atrelando em fado o espaço

de’xaustos buracos da alma em nó


Se aparecem rosas, um chocolate

mil bordas furará em uma só tarde

como nos cedros as lembranças à faca


E seja já finada, a linha tua,

perene a mágoa, achará a cura

lá nos desenhos do coração bordada.



*********

(Autor: Bruno Neves Oliveira)

quinta-feira, abril 06, 2006

Judas de Kariot





I

Quem é esse que anda
– sob um véu de sombra –
no umbral do existir?
[Treze chaves carrega ao cair]

A canção que canta,
seu sangrar alcança
o silêncio em mim;
[nas profundezas sem fim]

“Desperta-te”, clama,
o cuja voz é flama
o cujo arcano é dor
[as suas treze marcas de amor...]

II

Os tempos já idos
quão vãos e sofridos
aqueles sem amor
[quais dos antigos sentiu seu calor?]

Nos haréns dos palácios
nos quartos dos faunos
só carne, só dor
[que paixão nenhuma areia levou?]

Ó mestre dos ventres,
me faça semente
me faça sua flor
[que verás no Mayab, a dormir?]

III

Nicodemos, um mestre
só se ergue em serpente
quando entende o amor
[as águas do porvir...]

Sim, o qual que alcança
as santas planícies, assiste
ao funeral de si.
[da água e do fogo surgi...]


E duvida, e reflita
se o que aos outros engana
engana-te a ti.
[és um maya ainda?]

IV

Eis que o bem-amado do Cristo
no teatro, tem um papel a cumprir;
Deste pão molhado que sirvo
a Verdade poderá prosseguir...

As trevas caíram
e é o diabo quem fala;
“As luzes que partiram
são já pois mortas, fadadas”

As ilusões da morte
se multiplicam nas eras;
Do Filho o advir da Sorte
e Sua coroação na Terra.

Mas não, a vida não finda,
pois a morte é a vida
e a vida, o renascer
na eterna terra do Mayab...

domingo, fevereiro 12, 2006

Sob as cerejas...




- Uma Homenagem ao Renato -

__________________________

I

Da janela a lua
– invade a cama,
encobre a rua –
me clama e chama;

Agarra, arranca
– suave lembrança –
o que é seu: a sombra.

E, quando me for
ao azul profundo
deixarei de ser ator,
mas não deixarei o mundo...

Deslizarei no tempo;
Nas neblinas do sonho
e do esquecimento...

Mas percorrerei as flâmulas
– de Brunei à Gana! –
e vencerei montanhas
– para onde o sol se lança! –

E um dia, em sombra,
sob os véus dos mundos,
caçarei aromas...

Às cerejeiras ocultas
[do amor] visitarei;
À magia e à loucura
[do amor] recorrerei;

Ofertarei minha dor
e lançarei minha prece
ao despertar do amor...

Assim, com o rodar das eras,
ainda que meu coração
caia em cem mil pedras,
as cerdas do amor restarão...

II



II

E, talvez um dia
– quando noturnas
cerejeiras florirem –
possa te encontrar;

Não importa a vida;
Viver nos declives
ou à beira do mar...

Nos jardins de nuvens,
[lá te esperarei]
o coração a vibrar;
[estarás lá?]

Tanto te amaria,
mas pediria um beijo,
e nada mais...

E quando enfim chegasse
o amar por amar
eis que as nuvens se foram
e a lua está lá;

Estou à janela;
tua sombra voltaste
ao teu corpo na terra...

Já valeria uma vida
para te alcançar;
Ainda que viva
só pra te achar;

E às luas cheias
lembro de ti;
[lembras de mim?]

E, se aquela noite,
se te encontraria,
sob as cerejas,
num sonho ao luar...


______________________________

(Autor: Bruno Neves Oliveira)

quarta-feira, dezembro 14, 2005

Eien....

(Eternamente)




* Em homenagem ao meu eterno namorado, Lucas Sena, mesmo que tudo tenha acabado... * (Eien Ganesha)

Amo-te Infinitum

********

Eien / Parte I




Parte I

********

Nos vales as folhas surgiam
e nasciam os sonetos do amar;
A vida, os gerânios se abriam
dois a dois, em cada par;


[Minhas margaridas jamais cresciam
nos ramos da solidão;
Descobri-te quando cem floriram
nos vasos do coração...
]

Dos buracos da tempestade
a luz volta sempre a raiar;
A esperança da esmeralda
é seu intenso brilhar;


[Enquanto os pingos não caem,
meus lábios junto a ti;
A chuva salpicando a janela
acariciando teu sorrir...
]

Nos arco-íris dos céus
as luzes despontando:
sete portas, sete véus
ao mundo circundando...

[As dimensões que se abram!,
percorrê-las-ei contigo;
A beleza maior dos astros
já a tenho aqui comigo...
]

As escarpas agasalhadas
num manto opaco;
As montanhas enevoadas
num sacro canto;


[Do granizo os desenhos perfeitos
são minha obra em teu louvor;
O pincelar da língua em teu peito
formando linhas eternas de amor...
]

(Eien...)


********

Eien / Parte II




Parte II

********

Nas vidas que as horas levam;
Nas ondas que as chuvas regam;
Nas estradas que as asas negam;
um brilho de íris... (em dons de mistério)


[Rabisco mil nomes
no mundo a cair;
Nas folhas que passam
um pouco de mim
]

Suspiram os seios do mármore
fadados ao eterno pensar;
Sublimam degelos dos mares
fragrâncias salinas ao ar;


[Reflete o espelho do lago
– cristalino, teu rosto a sonhar... –
as cobertas eu contigo abraçado;
um coração em fogueira a pulsar;
]

E todas as montanhas velam
o despertar das rosas;
E todos os cisnes elevam
um colar de pérolas;


[Quem conta, amor
tantas rosas faceiras,
as lindas palmeiras
que plantei por ti?
]

Dança a carruagem
de cavalos em fogo
em infinda viagem
de céu a morro;


[O ouro dos campos
envolto em trigais:
Querido, eis meu manto
de paixão e de paz...
]

(Eien...)


********

Eien / Parte III




Parte III

********

Ao luar dos pássaros
um sonho voa sem asas,
sem nada, das malhas
dos sussurros tártaros;


[Da morte revivo
cem mil lírios
a orar em ofício
por ti.
]

Nas brisas do tempo
os perfumes secretos
que carregam os ventos
de Roma a Éfeso...


[Nunca, nunca esquecerei
do corar de tua face
embalde me ache
onde nunca vos perderei
]

Dos justos redutos
um vulto, que sumo
a zelar tão fecundo
no coração do mundo?


[Mesmo os sete paraísos
ajoelham-se a ti;
Virgem imaculado,
cravaste teu nome em mim
]

E as flamas poentes
das flechas da mente:
magias nascentes
dia a dia, eternamente...


[Um segundo não passa
num olhar que te toca
mais fundo que o breu:
amor, eu sou teu.
]

(Eien...)


********

Eien / Parte IV




Parte IV

********

Os doze meses que passam
são doze fervores do amar;
são doze cantos que embalam
os violinos das bocas do mar...

[Eien...]

O destino das trilhas que somem
quem diz, onde vai dar?
Os alaúdes ensinam ao homem
mil lições de vida ao tocar...

[Eien...]

Um vôo de borboletas:
maior magia não há;
O olho que vê um cometa
nunca mais esquecerá...

[Eien...]

Nos labirintos da sorte
residem os dons do amar;
Ainda que me trague a morte
meu coração me salvará!

[Eien Indigo...]

Um carneirinho baila
sobre campos ao sol;
De dia pela relva parda,
De noite pelo farol;

[Eien Ganesha...]

Amor, sigamos sem medo,
elevemos nosso amor dos apegos
nossos corações dos coveiros
que insistem em os enterrar...

[Eien Ganesha & Indigo]

Adiante! Nas nuvens
há sonhos a realizar!
Até os confins do mundo
de nossa história falará!

[Eien Eien Eien...]

Te amo.

[........]

sexta-feira, dezembro 02, 2005

Soneto da Maioridade




Soneto da Maioridade


Um chalé, um café morno
antes do cantar do galo,
antes do joão-de-barro
gorjear um canto d'ouro...

De tarde o cheiro do mato,
do suor dos cavalos,
os velozes cascos
soando tambores no chão.

Olhos brilhavam: diamantes da noite;
As pupilas dilatantes, esperando, perguntando
porque o amanhã não vinha...

Adeus, minha roça;
Adeus, minha rosa;
Minha airosa infância...


______________________________________

(Autor: Bruno Neves)

quarta-feira, novembro 09, 2005

Dreamy Lights




Hoje é dia 9 de novembro, dia do meu aniversário de 18 anos. É uma data especial, e quero que uma pessoa especial seja homenageada nesse dia. Uma pessoa que amo mais que todas que já amei na minha vida e, posso dizer com segurança, mais que todas que ainda poderei amar. Seu nome: Lucas Sena, 15 anos, Foz do Iguaçu.

É para você que dedico esse poema, Lucas, e saiba que, esteja onde estiver, com quem estiver, eu estarei pensando em você...


Dreamy Lights


Afternoon’s fading…
my eyes in the horizon
up to where sun’s laying…
(where are you?)

Alone, seized in dark
- the entire essence of life -
my heart knows no light,
there’s no place to hide;


I’ve wished a fallen star
to bring the lights that fills
all the skies; my desire
cannot be filled without [you].


A shadow shines by my side,
by the deep spaces of night;
One blink [of eyes],
a flash of ancient fires…


There’s no more night, the laws
are away on the time;
Just you, just me
just the the breeze of your mouth;


The silent sound of a kiss
resound under fields of stars;
all the taste of your lips
are within my touch;
(is this a dream?)


The earth, the heaven,
no place to be;
Flying all the seven
seas with your kiss;
(this must be a dream…)

Fades magic and moonlight
with rays of sun;
But you lay here, afternight,
in your eyes my sun….
(It was all real…)


______________________________________________


Luzes do Anoitecer


A tarde partiu…
meus olhos no horizonte
vagando pelos tons de anil;
(meu amor…)

Captiva minha alma,
- silêncios em treva -
meu coração se encerra
dentre os vãos da terra.

Estrela cadente, o pedido
d’envolver as luzes do céu
sobre nós; que consigo
sem você e seu beijo [de mel]?

Uma sombra reluz ao meu lado
por noturnos e profundos espaços;
Um piscar de olhos [amados],
nas chamas despertas no vácuo…

Já as fraquezas da noite
se dissipam no tempo;
Só você, só o doce
da sua boca em alento;

Ecoa o silêncio do beijo
pelos campos de estrelas;
Todo o sabor do perfeito
dissolvendo as letras...
(será um sonho?)

As luzes do universo
qual vaga-lumes de amor;
Voarei pelos pélagos
com as asas de teu calor;

(tem de ser um sonho...)

Desvanecem luar e magia
aos raios de sol;
Mas após a névoa surgia
dois olhos de sol...
(não era sonho...)

___________________________

(Autor:Bruno Neves Oliveira)

quarta-feira, outubro 19, 2005

Sou Lenda




Sou Lenda


Sou Lenda, porque as lendas são envoltas em Mistérios e Magias...

São a primeira criação dos caminhos da mente, da vaga imaginação, da liberação dos silêncios da alma...

Sou Lenda pelo desejo incontido em mim de tornar possível o encontro entre sol e lua, diminuindo o entrave da dor...

Sendo Lenda, posso brincar na sua alegria, ser parte da sua emoção e caminhar, tranqüila, pela sua ilusão...

Sou Lenda, porque as lendas correm livres junto ao vento, buscando as vozes da memória, para que alcancem as histórias perdidas no tempo...

Então, sendo Lenda, posso cavalgar pelos sonhos, velejar pelos mares da sua saudade e passear, solta, pelo seu pensamento...

Sendo Lenda, posso escrever meu nome em sua vida e me instalar no aconchego do seu coração como uma sensação chegando pelo perfume do ar...

Sou Lenda...posso ser parte de você, sem você perceber...

____________________________

(Autor: Mary Sioux)

segunda-feira, outubro 17, 2005

Anime / Axiomas




Axiomas transcendentes do tarot


Arcanos Maiores



1. O Mago: “Sê em tuas obras como és em teus pensamentos.”

2. A Sacerdotisa: “O vento e as ondas vão sempre a favor de quem sabe navegar”

3. A Imperatriz: “Tecendo está o seu tear, telas para teu uso e telas que não hás de usar”

4. O Imperador: “Bendiga o trabalho de suas mãos, e no do pensamento ponha o coração.”

5. O Jerarca: “De ouvidos te havia escutado, mas agora meus olhos te vêem e meu coração te sente”

6. A Indecisão: “Trabalhos me dás Senhor, mas com eles fortaleza”

7. O Triunfo: “Quando a ciência entrar em teu coração e a sabedoria for doce à sua alma, pede e te será dado”

8. A Justiça: “Edificas um altar em teu coração, mas não faça de teu coração um altar.”

9. O Eremita: “Sobe a montanha e contempla a terra prometida, mas não te digo que entrarás nela”

10. A Retribuição: “Custoso é saber o que compras com a experiência e mais custoso o que te falta por comprar”

11. A Persuasão: “Gozoso na esperança, sofrido na atribulação, seja constante na oração.”

12. O Apostolado: “Ainda que o sol te fatigue de dia e a lua te entristeça à noite, não leves teus pés ao escorregadouro, nem durmas enquanto estejas de guarda”

13. A imortalidade: “A noite passou e chegou novo dia. Vista-se, pois, com armas da luz”

14. A Temperança: “Não sejas como palha diante do vento, nem como o vento diante da palha”

15. A Paixão: “Fizeram-me guarda de vinhas e a que era minha não guardei”

16. A Fragilidade: “Luz da manhã, Luz do meio-dia, Luz do anoitecer, o que importa é que seja Luz”

17. A Esperança: “Uns homens pedem senhas para cair e outros pedem sabedoria para obrar, mas o coração esperançado tem tudo em suas esperanças”

18. O Crepúsculo: “Seja Tua caridade um celeiro inesgotável e sua paciência não menos inesgotável que tua caridade”

19. A Inspiração: “Toma o escudo da tua fé e avança com passo decidido seja a favor dos ventos ou contra todos os ventos”

20. A Ressurreição: “Flor na macieira, fruta na videira, semeado na madureza”

21. A Transmutação: “Em teu segredo não entra minha alma, nem em teu porto meu navio”

22. O Regresso: “Sai o sol e se põe e volta outra vez ao seu lugar onde torna a nascer”



ARCANOS MENORES


Arcano 23 – O lavrador: “Moa meu moinho farinha para mim e farinha para o vizinho.”

Arcano 24 – A tecedeira: “Malha após malha, tece meu tear, telas para minha honra e terras para honrar.”

Arcano 25 – O argonauta – “Navega minha barca, navega a porfia; navega de noite, navega de dia.”

Arcano 26 – O prodígio – “Foi tempo de romper e é tempo de coser; tempo foi de falar e é tempo de calar.”

Arcano 27 – O inesperado – “Nem excesso de mel para adoçar, nem vanglória para prosperar”.

Arcano 28 – A incerteza – “Não busques nos outros o que está em ti; nem busques em ti o que está nos outros.”

Arcano 29 – A domesticidade: “Olhos de juventude sejam teus olhos; e tua palavra, prudência de ancião seja.”

Arcano 30 – O intercâmbio: “Ceifa tua terra com esmero, mas não colhas teu feixe com avareza.”

Arcano 31 – Os impedimentos: “Não faças juízo sem misericórdia; nem tenhas misericórdia sem juízo.”

Arcano 32 – A magnificência: “Esgota os recursos de tua inteligência; porém não esgote os de teu coração.”

Arcano 33 – A aliança: “Alegra-te com o amor de tua mocidade e alegra-te com o amor de tua maturidade.”

Arcano 34 – A inovação: “Abundância de dias há em tua mão direita; e na esquerda, trabalhos e honra.”

Arcano 35 – O desconsolo: “Depois de agora vem o que foi, e antes foi o que será agora.”

Arcano 36 – A iniciação: “Doce é o tanger, doce o cantar, doce o escutar.”

Arcano 37 – A arte e a ciência: “Terra de promissão ante meus olhos; ajuda-me, pé, a chegar a ela.”

Arcano 38 – A duplicidade: “Mulher virtuosa, nem todos os que vêem tuas obras, vêem tuas virtudes.”

Arcano 39 – O testemunho: “Põe tuas intenções por testemunho ante ti mesmo; mas ante os demais, põe por testemunho tuas obras.”

Arcano 40 – O pressentimento: “Não sejas homem de olhos abertos à cobiça, nem mulher de ouvido aberto à lisonja.”

Arcano 41 – O desassossego: “Os arcos dos fortes foram quebrados e os débeis se cingiram de fortaleza.”

Arcano 42 – A preeminência: “Principal em dignidade, principal em poder, seja principal em méritos.”

Arcano 43 – A alucinação: “Alegria do coração, embeleza meu rosto.”

Arcano 44 – O pensamento: “Sobrepuja com sabedoria os receios e goza do que é teu em esperança”

Arcano 45 – A regeneração: “Tudo é formoso a seu tempo e tudo é saboroso no momento oportuno.”

Arcano 46 – O patrimônio: “A satisfação no pouco abre as portas do muito.”

Arcano 47 – A conjectura: “Ser resplendor na luz e calor no fogo é tua missão para agora e para logo.”

Arcano 48 – A consumação: “Bebe a gota de tua cisterna ou as torrentes de teu poço.”

Arcano 49 – A versatilidade: “Doce é o trabalho de quem trabalha contente; e doce é o descanso de quem o tem merecido.”

Arcano 50 – A afinidade: “Tição és no incêndio, mulher; e tu, homem, vento que aviva o fogo.”

Arcano 51 – O assessoramento: “Palavra de prata é o conselho do sábio; e palavra de ouro a de quem o busca e segue.”

Arcano 52 – A premeditação: “Põe teu coração em todas as tuas palavras, mas não ponhas todas as palavras em teu coração.”

Arcano 53 – O ressentimento: “Não brandas espada vingadora, nem temas espada reparadora.”

Arcano 54 – O exame: “Rebusca tua vinha e recolhe os grãos caídos; mas não rebusques rancores, nem recolha ofensas.”

Arcano 55 – A contrição: “Não semeies mistura em tua horta, nem a cultives em teu coração.”

Arcano 56 – A peregrinagem: “Anima e conforta o atribulado e mantenha-se corajoso em tuas atribulações.”

Arcano 57 – A rivalidade: “Sete vezes cai o justo, e se o é, outras sete torna a se levantar.”

Arcano 58 – A recapacitação: “Se teu próximo te deixa confuso, consulte o caso com teu próprio coração.”

Arcano 59 – A revelação: “Os metais se provam pelo fogo e o valor do homem pela boca de quem o elogia ou censura.”

Arcano 60 – A evolução: “O que planta e o que rega são uma mesma coisa para a semente.”

Arcano 61 – A solidão: “Paga o que deves: ao que tributa, tributo; ao que obrigação, obrigação; ao que honra, honra”

Arcano 62 – A proscrição: “O que guarda sua língua, sua alma guarda”

Arcano 63 – A comunhão: “Dá semente ao que quer semear e não a tem, e conselho ao que quer acertar e não sabe.”

Arcano 64 – A veemência: “Fortaleza é a sabedoria e pujança, o desejo que a move.”

Arcano 65 – A aprendizagem: “Quem incorpora ciência, incorpora dor, de dia ou de noite, para seu bem.”

Arcano 66 – A perplexidade: “O que madure as pedras, trabalho terá nisso; e o que cortar a lenha, ao cortá-la correrá perigo.”

Arcano 67 – A amizade: “Mão pronta em dar; pés ligeiros em cumprir, convosco estou na costa ou na planície.”

Arcano 68 – A especulação: “Vejam teus olhos sem temor, e tuas mãos com amor.”

Arcano 69 – O azar: “Em todo trabalho há fruto, e em todo fruto, um trabalho.”

Arcano 70 – A cooperação: “Não há homem sem ciência, nem ciência sem homem.”

Arcano 71 – A avareza: “Cobiçosa é a cobiça, farta em miséria e abundante em dissabores.”

Arcano 72 – A purificação: “Escuta a doutrina de teu pai e não desdenhes a direção de tua mãe.”

Arcano 73 – O amor e o desejo: “Lançadeira de meu tear, tece a tela que há de me abrigar.”

Arcano 74 – A oferenda: “Oferenda de flor de farinha no melhor de teus pratos, seja tua dádiva ao coração aflito.”

Arcano 75 – A generosidade: “Frutos gratos ao paladar, tão doces ao receber como ao dar.”

Arcano 76 – O dispensador: “Aproxima-te, estrangeira, e come de nosso pão e do molho dos meus.”

Arcano 77 – A desorientação: “Caminhos pede o pé diligente; ferramentas, a mão laboriosa.”

Arcano 78 – O renascimento: “Dias de sol, dias de lua, graças pela boa e pela má fortuna.”

*****************

terça-feira, outubro 04, 2005

*Dance*




"We bow to Him the benevolent One
Whose limbs are the worlds,
Whose song and poetry are the essence of all language,
Whose costume is the moon and the stars..."

"The dancing foot, the sound of the tinkling bells,

The songs that are sung, and the various steps,
The forms assumed by our Master as He dances,
Discover these in your own heart,
So shall your bonds be broken."


-Tirumular

____________________________

Tradução

“Nos curvamos a Ele, o benevolente,
cujos membros são os mundos,
cuja música e poesia são a essência das línguas,
cuja veste é a lua e as estrelas...”

“Os pés dançantes, o som dos sinos tilitantes;
As canções murmuradas, e os vários passos;
As formas adotadas pelo Mestre quando dança;
Descubra-as em teu coração,
então serão tuas correntes quebradas.”


_________________________________________