Sob a lua vermelha de novembro...

Quando tudo isso começou? Quando as engrenagens do destino começaram a girar? Talvez seja impossível achar a resposta agora, profunda no fluir do tempo...

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, MG, Brazil

Eu? Apenas mais um andante solitário...mas todos os andantes tem uma ou outra lição a passar devida à sua intimidade com a estrada. A estrada é sábia. Embora seja certo que o caminho ainda segue muito à frente... quantas lições nos esperam?

sexta-feira, maio 20, 2005

Reflexões (1)



Tons rosados do entardecer...

Outro dia me veio à mente o maravilhoso (e filosófico) filme “Matrix”. Em uma parte dele, a esposa do personagem chamado Merovíngio diz aos amantes Neo e Trinity: “Eu os invejo; mas um amor assim não está fadado a durar”. Há muita verdade nisso. De fato o tempo, pouco a pouco, vai-nos comendo os amores, a beleza, a pureza, a inocência. Não é só conosco, entretanto. A flor considerada mais bela é a que dura menos tempo. Assim como o tom róseo mágico de alguns finais de tarde não se demora a extinguir. O tempo é um eterno devorador da perfeição...


Vale lembrar, contudo, que talvez a bela rosa seja tão incrível, tão única, justamente devido à sua fugacidade nos domínios cronológicos. O fato de sua beleza ser breve não a diminui; ao contrário: torna-a rara. A juventude é como a rosa. O momento mais belo e, talvez por isso, o mais doloroso. Sim, pois o tempo põe tudo sobre a balança. Pagamos o preço da juventude com a dor. Pagamos a maciez das nossas carnes, a saúde de nossos corpos, com o sofrimento do coração. A adolescência é o real teste da vida. Aqueles que conseguem ultrapassá-la, superá-la (pois nem todos os que a ultrapassam a superam) se tornam outros. Tornam-se o que chamamos “adultos”. Essa é a verdadeira razão da maturidade. Ganhamos sabedoria com a dor.

A conclusão é clara. O resultado desse processo é, muitas vezes, o desprezo, a tendência ao esquecimento dessa fase da vida como uma tentativa de apagar as dores, as lembranças, as dificuldades que a permeiam. Assim é como menosprezamos um dos momentos mais fabulosos da vida: o milagre do derradeiro (e fugaz, de fato) cume do desabrochar de uma rosa....


_______________


(Autor: Bruno Neves Oliveira)