Sob a lua vermelha de novembro...

Quando tudo isso começou? Quando as engrenagens do destino começaram a girar? Talvez seja impossível achar a resposta agora, profunda no fluir do tempo...

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, MG, Brazil

Eu? Apenas mais um andante solitário...mas todos os andantes tem uma ou outra lição a passar devida à sua intimidade com a estrada. A estrada é sábia. Embora seja certo que o caminho ainda segue muito à frente... quantas lições nos esperam?

terça-feira, abril 12, 2005

Dois guerreiros, a espada e a lua / Primeira Parte

******



******

Dois guerreiros, a espada e a lua

Parte I

I


Nada sei eu, só sou um bardo,
é minha vida outras vidas cantar;
Exaltar as batalhas do passado
é o que faço, é pelo que vão me pagar.

Quem poderá cantar o segredo do caos profundo?
Que Buda desvelará o mal de um amor fecundo?

Há um conto nobre, um conto escuro,
de dias escuros dos quais há pouco lembrar;
Essa lenda me foi passada por um bardo sujo,
um peregrino das terras das bandas do mar.

Senhores, parem, e ouçam um conto
de amor, mas há muito olvidado,
de um amor puro em um puro sonho,
adubado em carinho, regado co’o orvalho.

II

Conto um conto de dois guerreiros
- dois guerreiros sem nome ou fama –,
uma história corrida sob um chão vermelho,
sob um céu de medo numa lua branca.

Canto uma época, uma terra em túmulo
- que unia morte e vida n’uma só carne -,
cuja macabra sinfonia era ainda um prelúdio,
um início de crepúsculo, quando sombras caem...

Preparados estóis, meus ouvidos, para a lenda que contarei?
São já vossas almas preparadas para a saga que falarei?
Sabei pois que muita dor se passou, e de muita dor cantarei;
de corações que perecem na noite minha história comporei;

Pois dia não havia, não havia aurora, só havia a luz d’espírito,
cujo fulgor era qual da lua as chamas prateadas velozes no rio;
Dia branco nascia, o corpo, o gelo, a pálida espada no vazio
cortando além o nada enquanto crescia n’alma o vício.

III

Eis Japão antigo, terra de senhores,
sob única lei da espada: era vida
sangrando essências de matadores
e o direito que do forte não vacila;

Uma terra, muitos reinos:
como entre tantos um consenso há?
Doravante guerras permeiam
a negra época da qual me ponho a falar.

Havia ali sombras riscando a noite,
invisíveis sob estrelas fátuas;
Assassinos mestres, da morte a foice,
faiscando chamas sobre suas facas;

Havia também o samurai guerreiro,
a manipulação da lâmina a sua arte;
Em milícias, ou vagando sem medo
pela estrada, sob céus de mortandade.

IV

Oh, nobre Buda, quem diz o que virá?
Quem porventura diz quando da bétula
a derradeira pétala cairá?

Os verões passam, passa a tragédia,
mas a dor, quando passará?
Será que algum dia a floresta
de mágoa n’alguma alma findará?

Que calor ígneo, então, não há de passar?
E que destemido coração deste mundo,
do vento um dia o caminho tomará?

Será a vida como a palha velha
e seca, que há um dia de queimar?
De que nos serve a beleza eterna
se não há na sua essência amar?

V

Dentre todos, um palácio havia,
e um guerreiro fiel a seu senhor;
Tatsunaga era, pelo que se dizia,
seu nome, e era um brado de valor.

A visão de muitas batalhas vencidas
possuía, e sua espada um fio de temor;
O cabelo negro longo nas costas caía,
qual a correnteza das noites sem fulgor.

Era seu espírito de tal furor imbuído,
que seus olhos eram qual brasas rubras
em batalha, e frente a qualquer inimigo:
Eis um general antigo, sob antiga lua.

E por seus feitos, longo tempo
reinou em paz o seu Senhor;
Assim havia imaculado alento
naqueles campos, de frescor.

VI

Ah, ó deuses, quisera que permanecesse
imaculada a relva daqueles sítios!
Quisera que o sangue não escorresse
da veia funda, e ferisse o espírito!

Quisera não houvesse as vis correntes
que nos atam do Samsara à roda curva;
Quisera a liberdade pura fosse leme,
e a bandeira que ante o ignoto tremula;

Sim, muito melhor se assim fosse,
porém haveria que conto a contar?
Quais dos feitos sabidos hoje
persistiriam, se não houvesse sangrar?

Mesmo que, espinhosos, muitos laços
envolvam do amor o caminhar;
Mesmo seja o sofrer tal chicote árduo,
e traição desperte onde há mais confiar;
Ainda seja tudo isso até redobrado,
ainda assim, terá valido a pena amar...

(continua...)

_________________

(Autor: Bruno Neves Oliveira)

2 Comments:

Anonymous Izabela said...

Brunoooooo!!!!!
ow, chiq d+, neh naum? aki...guarda um livro pra mim,hein?! num vai vende tds e esquecer d mim anum, viu?!

9:37 AM  
Anonymous nyna said...

wow, lindo! *.*
cara, vc escreve mto bem!
parabens ^^
;*

9:43 PM  

Postar um comentário

<< Home