Sob a lua vermelha de novembro...

Quando tudo isso começou? Quando as engrenagens do destino começaram a girar? Talvez seja impossível achar a resposta agora, profunda no fluir do tempo...

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, MG, Brazil

Eu? Apenas mais um andante solitário...mas todos os andantes tem uma ou outra lição a passar devida à sua intimidade com a estrada. A estrada é sábia. Embora seja certo que o caminho ainda segue muito à frente... quantas lições nos esperam?

terça-feira, abril 12, 2005

Segunda Parte

******



******

Parte II


I

Sim, valido a pena amar terá,
ainda que uma faísca ligeira
este o seja na areia corrida já;

Tal é o amor deste conto,
uma faísca a sós na eternidade;
Não o julguem, pois, de pronto,
nem por cega fé o descartem;

Senhores, vós que haveis me ouvido,
sem vergonha eu clamo e digo:
eu nunca amei, não sei qu’é isso,
e muitos como eu têm tal vivido;

Porém, uma habilidade a tenho:
o amor achar onde há de fato
e respeitá-lo, em meu silêncio....

II

Assim, não muito tempo além,
eis que, em sangue e fogo,
já outra batalha vêm,

tão longe, de um lago à margem,
onde um vilarejo em cinzas mostrava
da vil força invasora a barbárie;

Confiante, o belo Tatsunaga
levou apenas si e cem espadas;
Sob sol, sob lua a cavalgada
os levou frente à face dessa armada.

Era porém já, oh, por demais tarde!,
quando atônito, o general imberbe
fitou a ruína no alvorecer do embate;

quando, quais rubras ondas cruéis,
invasoras hostes cercavam-n’olho,
e o coração por mil chagas ‘través;

quando diamantina gota escorreu,
serena, brilhante estrela no branco
da carne, até um lábio a sorveu;

quando, quais estéreis lenhos partidos,
caiam-lhe os filhos da bandeira vibrando só
na escuridão de medo que arrancou-lhe o grito;

quando, enfim, como do vulcão nas lavas,
um coração de fogo soçobrou nas águas
pastosas, vermelhas, d’um campo de batalha...

III

Não queria porém, o destino
[esse alto senhor, de eterno siso]
que Tatsunaga fosse ali caído,

talvez por aguardar-lhe nobre sina
ou tormentosos anos tantos ainda;
talvez por dádiva, ou divina graça
ou por sua quão incrível sorte d’alma;

O fato é que ali estava, sobre chão,
ao solo colado; e ouvia-se um só coração
que pulsava ainda da batalha em vão;

Sim, jazia, havia ali um corpo,
sim, d’um espírito quebrantado e rouco;
Nada além, ali, d’um corpo meramente,
cujo íntimo tombava-lhe impotente.

IV

Ah, senhores, não sabeis quão dolorosa
é a derrota; mas eu vos digo aqui, agora,
mil vezes maior é a dor do amor qu’imbora
se vai par’as não conhecidas plagas mortais;

Mil vezes mais sofrida, e o sangue que escorre
da ferida totalmente não curar-se pode;
Não há alívio, prece ou erva conhecida
que coagular tal profunda lesão consiga;

Chame-se do gélido cume a flor eterna,
ou da mata aberta, a doce ninfa;
Chame-se o sol, a lua, os frágeis dias,
ou d’imenso Fuji oval cratera;

Nada, nada cura a profundeza
do coração, pois que é inexplorada;
Qual rochedo qu’impiedoso mar açoiteia
e pulveriza, mas sobra-lhe a base intacta;

V

Já qu’em tal amor esse conto não chegou,
prossigamos nossa história, onde parou:
E lá estava, caído envolto em lama e dor
confiante general que a si mesmo inumou;

Já não viçava ânim’o olho
tetro, qual a pérola marinha;
Não mais na face o róseo coro
suave, qual pétala carmesina;

E trespassava-lhe as pupilas
todo o terror da destruição;
E adentrava-lhe pelas narinas
o sangue, a loucura, a convulsão.

Ergueu-se lento, e cada segundo
era um dia; e cada centímetro
era maior qui’a razão do mundo,
que nada mais era, que um centímetro.

VI

Ergueu-se, e mirou a esperança
desmoronar-se na luz na lâmina
de um inimigo que veloz avança;

O olho, a espada, nada existia
além de tal relação solitária;
Dois espelhos, era uma magia
a piscar no seio daquela plaga;

Dois homens, de bandeiras diversas
sobre a campina, já aquela hora erma,
ligados ao fio de uma história eterna;

Eis tragédia, eis fatídico instante,
ó passantes, que todo ser há de viver;
Cedo ou tarde, acalanto insone
ó homens, ouvireis, e irão reconhecer.
Não há tom ou palavra em seu cânone;
mas há o segredo supremo do morrer...


(continua...)

___________________

(Autor: Bruno Neves Oliveira)